Quinta-feira, 29 de
Fevereiro de 2024
Direito & Justiça

Descompasso

TJ de Goiás suspende desembargador que pediu fim da Polícia Militar

" Para mim tem que acabar com a Polícia Militar", desembargador Adriano Roberto Linhares Camargo

Foto / Imagem: Reprodução/Youtube
post
Fala de desembargador Adriano Roberto Linhares Camargo aconteceu durante julgamento do TJ-GO

06 novembro, 2023

O Tribunal de Justiça de Goiás suspendeu temporariamente do cargo o desembargador que defendeu o fim da Polícia Militar durante um voto. A decisão foi tomada hoje pelo Órgão Especial do TJ-GO. 

O que aconteceu

O afastamento ocorre até que se decida se o desembargador será alvo de processo administrativo disciplinar, quando o colegiado examinará novamente a questão. Para o órgão, Adriano Roberto Linhares Camargo emitiu opinião pessoal durante voto oral em sessão de julgamento no dia 1º de novembro. Por esse motivo, sua conduta será avaliada. O desembargador continua recebendo salário e benefícios. Se houver abertura de processo administrativo, Camargo terá 10 dias para apresentar sua defesa.

Governador e PM de Goiás criticaram declaração

Os desembargadores analisavam um caso envolvendo policiais durante uma abordagem. Antes de defender o fim da corporação, o desembargador citou "recorrentes abusos" da polícia longe de bairros nobres. Camargo disse também que os agentes -  no caso analisado - não tinham autorização para entrar na casa das pessoas abordadas.  " Aqui vai uma reflexão pessoal: para mim tem que acabar com a Polícia Militar e instituir uma forma diferente de atuação na área da investigação e repressão ao crime" - Adriano Roberto Linhares Camargo, desembargador. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), definiu Camargo como alguém que "se intitula desembargador" e criticou a declaração feita durante o julgamento. "[Ele] faz as maiores agressões e sem dúvida nenhuma pratica um verdadeiro crime contra a Polícia Militar do Estado de Goiás", afirmou. O governador cita o artigo 144 da Constituição Federal em que prevê a criação da Policia Militar. "Neste momento que você pede a extinção da Polícia Militar do Estado de Goiás, você está atentando contra o Estado democrático de direito ou você está cooptado por outras forças de crime contra o nosso estado", afirmou Ronaldo Caiado. Em nota, a PM disse repudiar os comentários "inaceitáveis e desrespeitosos" que "ousaram questionar" o papel da corporação. "Estamos sempre dispostos a um diálogo construtivo e a um constante aprimoramento na implacável batalha contra a criminalidade", afirma a Nota.