Quinta-feira, 29 de
Fevereiro de 2024
Agronegócio

Exportações

Jussara recebe autorização para exportar melancia, melão e abóbora

Em parceria com produtor, Agrodefesa, Ministério da Agricultura e responsáveis técnicos conseguiram incluir município no Sistema de Mitigação de Risco (SMR) para praga Anastrepha grandis

Fotos: Wenderson Araujo/CNA
post
Melancia é um dos produtos que podem alcançar novos mercados com a inclusão de Jussara no Sistema de Mitigação de Risco (SMR)

11 fevereiro, 2024

Por meio do trabalho da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), órgão do Governo de Goiás, mais um município foi incluído no Sistema de Mitigação de Risco (SMR) para a praga _Anastrepha grandis_, uma espécie de mosca-das-frutas, em cultivos de cucurbitáceas, como melancia, melão e abóbora. Com isso, a partir de agora, produtores de Jussara, na Região Noroeste do Estado, poderão exportar frutos frescos de cucurbitáceas para países que têm restrições quarentenárias com relação à praga. Jussara é o 17º município goiano a receber o status que permite a exportação desses frutos. O reconhecimento foi feito pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura e Pecuária (SDA/Mapa), com a publicação da Portaria nº 1.002/2024 no Diário Oficial da União (DOU) de 1º de fevereiro de 2024. “A Agrodefesa tem um papel muito importante junto ao fruticultor, auxiliando-o quanto à legislação e normas técnicas para habilitar questões, como essa das exigências para exportação de cucurbitáceas, como melancia, melão e abóbora, que têm grande importância econômica para o nosso Estado”, avalia o presidente da Agrodefesa, José Ricardo Caixeta Ramos. “Ter mais um novo município reconhecido é mérito também dos nossos servidores que, junto aos responsáveis técnicos engenheiros agrônomos, têm obtido resultados importantes como esse para o nosso Estado.” O status tem sido alcançado pelos municípios goianos desde 2006, sendo implementado primeiramente em Uruana, Carmo do Rio Verde, Itapuranga e Jaraguá – grandes produtores de frutas no Estado. Além desses municípios, também foram reconhecidos com o status: Rio Verde, Santa Helena, Maurilândia, Cristalina, Ipameri, Goianésia, São Miguel do Araguaia, Edealina, Luziânia, Nova Crixás, Rubiataba e Porangatu. “O trabalho da Agrodefesa vai desde a orientação quanto aos procedimentos, preparação da documentação junto ao responsável técnico, até os trâmites com o Ministério para o reconhecimento do Sistema de Mitigação de Risco para essa praga”, explica a gerente de Sanidade Vegetal da Agrodefesa, Daniela Rézio. Os últimos dados da Produção Agrícola Municipal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PAM/IBGE) apontam que, em 2022, Goiás produziu 239 mil toneladas de melancia, sendo o maior produtor nacional da fruta. No ranking entre os maiores exportadores, de acordo com o Agrostat do Mapa, o Estado ocupa a sétima posição, tendo comercializado US$106,7 mil (em Valor FOB) e 1.361 toneladas da fruta para outros países em 2023. Entre os principais destinos da melancia goiana estão Paraguai, Uruguai e Argentina.

Procedimento técnico

Para o reconhecimento de novos municípios, o produtor interessado deve realizar levantamentos fitossanitários em cultivos de cucurbitáceas por período mínimo e ininterrupto de seis meses, devidamente acompanhado por um Responsável Técnico (RT) habilitado pela Agrodefesa. Após os seis meses, a Agência elabora um projeto com os dados do levantamento e encaminha ao Ministério da Agricultura solicitando o reconhecimento oficial do novo município no SMR. Coordenador do Programa de Sistema de Mitigação de Risco para Cucurbitáceas da Agrodefesa, Mário Sérgio de Oliveira conta que, no caso de Jussara, o produtor manifestou o interesse à Agrodefesa em aderir ao SMR como opção de manejo da praga para produção de cucurbitáceas. Ele iniciou o levantamento de detecção e delimitação da praga em dezembro de 2022, pelo período ininterrupto de seis meses. “Após os seis meses, elaboramos o projeto com os dados do levantamento e encaminhamos ao Ministério da Agricultura solicitando o reconhecimento oficial do novo município no SMR. Com a publicação da Portaria, o município está oficialmente reconhecido”, destaca o gestor.  Além de trabalhar diretamente com os produtores, a Agrodefesa e Mapa também ministram cursos de capacitação para engenheiros agrônomos visando a habilitação para a Certificação Fitossanitária de Origem (CFO) e Certificação Fitossanitária de Origem Consolidada (CFOC) para a praga Anastrepha grandis em cucurbitáceas.